quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

A realidade da vida no exterior

Ei, gente! Bom, esses dias me vi relembrando várias coisas que já li a respeito do Ciências sem Fronteiras, e uma delas, que mais me incomoda, é quando pessoas que não estão aqui falam que é "Turismo sem Fronteiras".

Será que todas essas pessoas que falam isso sabem realmente como é a nossa realidade? Será que você, caro leitor que tanto almeja ser um CsFer, sabe como é a realidade?

Antes de tudo, eu gostaria de esclarecer uma coisa: óbvio que a gente posta milhares de fotos viajando. Mas não é porque a gente não posta foto estudando, que a gente não estuda.

E que isso fique bem claro!

Nossa rotina não é cheia de glamour e bem-estar, como todo mundo pensa. Nossa vida não se resume a viajar.

Vamos começar com uma rotina minha, dia típico normal, considerando que eu tenho aula às 9h.


Acordo às 7h, lavo o rosto, tomo banho, me arrumo, vou pra cozinha e faço meu café da manhã. Às 8h, estou pronta pra sair, e tenho uma caminhadinha básica de 25min subindo ladeira pra poder chegar até a faculdade. Eu poderia ir de ônibus ou de metro, mas isso custa dinheiro, então andar é a solução.

Chego na faculdade, tenho uma aula de 1h e tenho que voltar (à pé de novo) pra casa. Estou indo me deliciar com o almoço preparado pela empregada aqui do flat, né? Não. Estou indo pra cozinhar o meu almoço. Corto cebola, alho, tomate, faço verduras, frito o bife e cozinho o arroz. Depois é claro que aquela mesma empregada (que não existe) vai lavar toda a louça... So que não também. Então vou la, lavo a louça, lavo a mao, e me preparo novamente pra sair de casa e caminhar mais uma vez ate a faculdade. Fico lá por umas 2-3h e volto pra casa. Hora de descansar, ir pra academia, etc, certo? Nem sempre.

Pelo menos uma vez por semana é hora de ir ao supermercado. Pego meu carrinho de feira e lá vou eu. De ônibus? Nao. À pé, porque é mais barato. Ando mais 25min e chego lá. Faço toda a compra, escolho as verduras, faço conta de qual carne é melhor e mais barata. Substitui o meu querido contra-filé do Brasil pelo peito de frango, mais barato. Substitui o pão no café da manhã pelo ovo, mais barato. Não tomo suco, não compro doces e nem de petiscos. O iogurte, o papel higienico, o arroz, o desinfetante, a pasta de dentes, a banana... Compro tudo da marca do próprio supermercado, porque é mais barato. Aqui economia é palavra de ordem. Chego no caixa e fico esperando o embalador me entregar tudo pronto, certo? Hahaha. Claro que não. Aqui o comprador embala tudo, e ainda numa velocidade da luz. A mulher do caixa faz as coisas muito rápido, e pra voce acompanha-la, voce se encontra numa situação meio estressante e desesperadora de embalar, pagar e guardar suas coisas... Tudo ao mesmo tempo. Às vezes vou no caixa em que eu mesma passo as compras, embalo e pago pra uma maquina.

Ah... Também tem o banco, ne! De vez em quando tem que ir la, sacar dinheiro, depositar dinheiro, mudar endereço, pedir um cartão novo... 

Volto pra casa, me arrumo em 10min e vou pra academia. Como alguma coisa no caminho, à pé. Malho, volto pra casa. Vou direto pra cozinha, faço a janta... E lá vai de novo aquela coisa toda de cortar, cozinhar e lavar. Entro no quarto, tomo banho e começo a estudar. E aí vai até 00h, por aí. Em época de entregar trabalhos e essays, já fiquei estudando até as 4h da manhã, como fazia no Brasil, e já cheguei a dormir só por 2h em algumas noites. Eu estava estudando. Antes do Natal, escrevi muitos trabalhos. Uns 6 de mais ou menos 1000 palavras... E pra faze-los, voce tem que ler artigos científicos, pesquisar muito, selecionar os melhores, fazer suas anotações e escrever algo que não seja copiado de nenhum lugar. As universidades daqui usam sistema de cruzamento de dados pra ver se voce copiou alguma coisa, e caso eles constatem que houve plagiarismo, voce pode ate ser expulso.

Mas aí chega o final de semana... Sábado e domingo, dias de descansar, ir ao salão, cortar o cabelo, fazer a sobrancelha, fazer a unha, fazer massagem, depilação, passear no centro, etc, ne?

HAHAHA. NÃAAAAAAO!!!

Beleza aqui é algo pra se cuidar em casa. Fazer a unha no salão custa £50, e eu não tenho esse dinheiro. Então a solução é o tal do DIY (Do It Yourself). Se voce quer um cabelo bem cuidado, voce compra uma tesoura de cabelos e produtos de hidratação, e cuida em casa. Se voce quer unhas feitas, faz em casa. Se voce quer sobrancelhas no lugar, faz em casa. E se não sabe fazer, aprende. Aqui todo e qualquer tipo de serviço custa muito caro, por isso é muito normal ver pessoas pintando suas próprias casas, cuidando do seu próprio jardim, fazendo o serviço domestico. Ja vi historias de pessoas que acordavam as 4h da manha e, durante o dia, trabalhavam em 4 lugares diferentes, chegavam em casa à 00h e ainda tinha que cuidar dos filhos. Tenho amigos que ficam ate 23h no escritório trabalhando. Ganham dinheiro, mas ainda assim dividem apartamento, porque é muito caro morar em Londres. Alias, dividir apartamento com estranhos é algo muito normal por aqui.

Sábado é um dia que normalmente tiro pra uma das duas coisas: ócio ou passear no centro. Caso eu escolha a segunda opção, caminho uns 10min ate chegar à estação de metro mais próxima da minha casa, e, dependendo do horário, pego um metro lotado. Empregadas, medicos, empresários, pedreiros. Todo mundo aqui usa transporte publico. Funciona muito bem, mas demoro cerca de 1h pra chegar ate o centro. Se quero fazer compras na Oxford Street, passo pelo momento de encarar aquela rua infernalmente lotada. E depois carregar todas as sacolas na mao por horas, ate chegar na minha casa. Quando quero voltar, mais 1h de metro.

Se resolvo sair à noite, aqui em Londres tenho que começar a comer e me arrumar às 19h, porque tenho que sair de casa no máximo (estouraaaaaando) às 21h (as vezes ate antes, dependendo de onde estou indo). Isso porque a noite aqui termina as 2-3h da manha, e se eu quiser aproveitar mais a festa e ainda não pagar entrada, tenho que entrar nos lugares antes das 22h. Na hora de voltar pra casa é outra resenha: pegar o Night Bus... Às vezes preciso pegar so 1, mas em outras situações, chego a pegar 2 ou 3 ônibus... Quanto tempo pra chegar em casa? HÁ! PELO MENOS 1H E 40MIN (quando é 1 ônibus so). É isso ai... Nada de taxi ou metro. Ônibus, lotado, e demorado. Não que eu esteja reclamando. Só estou contando como é a realidade.

Domingo... Dia de passear de novo, certo? Bom, não, de novo. Domingo é dia de cuidar da casa. Acordo cedo, e coloco a roupa pra lavar. Enquanto ela lava, volto pro meu quarto e comeco a limpar o banheiro. Tenho que ser rapida, coisa de 40min. Isso porque tenho que voltar pra lavanderia e colocar a roupa pra secar. Dai volto pro quarto de novo e comeco a limpar o quarto. Tiro todos os objetos, tiro poeira de tudo, passo pano nos moveis, aspiro o chao, arrumo tudo. Isso me consome 1h. Desco e pego minha roupa. Ai, que saudades da época em que tudo chegava limpinho e dobrado nas minhas mãos. Mas ne, a vida não é bem assim... Dai eu pego tudo, dobro e guardo. La se vai mais 1h. Depois tenho que fazer almoço de novo e terminar de resolver algumas coisas da vida. Quando eu vejo, já é por volta de 15h... E como no inverno aqui escurece por volta de 15:30h, 16h, já não da nem vontade de sair, porque o dia ja esta no fim...

Quando fico doente, nao tenho ninguém pra cozinhar pra mim, pra fazer minhas compras, pra lavar o meu banheiro, pra limpar o meu quarto, pra marcar o medico, pra comprar remédio e pra me dar remedio. Não tenho ninguém pra verificar se estou tendo febre durante a noite, e ninguém pra me fazer um cafuné. Não que eu não tenha amigos e que eles não me ajudam. Mas eles também tem a vida deles e as obrigações deles... Eles me ajudam o máximo que podem, mas não fazem tudo por mim. E o pior é quando a gente fica doente junto, porque aqui em Londres tem a maior onda de virus rolando o tempo todo, então uma galera fica com febre, diarreia, tosse, enjoo, etc, tudo ao mesmo tempo (não com tanta frequência, mas de vez em quando).

E ah, ainda tem o lance das viagens... Ja estava quase me esquecendo! Bom, eu tento viajar o máximo possivel. Para tal, eu tento sobreviver com metade da bolsa que eu ganho. Para isso, como eu ja falei, economia é a palavra de ordem. Compro as coisas mais baratas do supermercado, vou à pe pra faculdade, saio de casa cedo pra não pagar entrada e também não bebo (deixo pra fazer isso nas viagens). Normalmente abro o computador e compro um pacote de viagens, pego um avião super confortável, com voo saindo as 16h, geralmente fico num hotel bem confortável e com todos os passeios ja inclusos no pacote. Doce ilusão. Abro o computador e gasto algumas bastantes horas escolhendo os voos mais baratos. Muitas vezes, por causa do horário, preciso ate dormir no aeroporto. Escolho o hostel mais barato. Divido quarto com 10 pessoas, divido banheiro. Às vezes procuro um couchsurfing. Preparo lanchinho pra comer durante o dia, ando à pé pela cidade que quero conhecer. Pesquiso e faço o meu próprio roteiro. Geralmente, não entro nos lugares que tem que pagar entrada. Antes das festas, faço um esquenta, pra economizar na bebida. Nunca despacho mala (porque se paga pra isso), e então, mesmo que eu va viajar por 15 dias (como nas ferias), tenho que fazer tudo caber uma mala de bordo. Durante a viagem, como sanduíche ou atum. As vezes me dou ao luxo de comer um pouco melhor, caso a comida seja boa e a cidade seja barata (como em Portugal, por exemplo). Caso contrario, me viro com o que da.

Bom, essa é a minha realidade aqui no UK. Não que eu esteja reclamando... Não, de forma alguma... Eu sou muito, muito, muito feliz aqui. Tenho minhas obrigações, tenho que dar conta de tudo, administrar meu tempo, afazeres e diversão. Não tem ninguém pra fazer isso aqui por mim. Mas isso não é ruim, é so uma verdade.  Se pudesse escolher entre vir ou não, obvio que escolheria fazer tudo de novo.  Esse texto não foi pra reclamar da minha vida e nem pra me fazer de coitadinha e nem nada. Esse texto é apenas pra mostrar a realidade. É pra mostrar que a vida aqui não é so  privilégios e viajar, como muitos pensam. A vida aqui é uma vida normal, de quem mora sozinho, e precisa dar conta de tudo, igual no Brasil. Tem suas diferenças, claro (transporte é melhor, saúde publica é melhor, segurança é melhor, ...), mas isso não quer dizer que a vida aqui seja puro glamour também não.

Ciencias sem Fronteiras não é só turismo. Temos nossos momentos de distração, mas também os de obrigação, seja com nos mesmos ou com a universidade. Tem muito aluno aqui que leva as coisas à serio e se dedica de verdade à faculdade. Há também a possibilidade de aproveitar o tempo e se envolver com outras atividades, como trabalhos voluntários, conferencias, congressos, etc... Eu mesma sempre procuro participar do máximo de coisas e atividades que posso!

Enfim, é isso. Uma vida boa, cheia de viagens, compras, shows, passeios e festas é a mesma da economia, limpar banheiro, lavar louca, fazer comida, supermercado, farmacia, etc... Como eu disse, esse texto não é uma reclamação, é só um pouco do outro lado da realidade. Fica a dica pros próximos CsFers e também pros críticos! ;)

Beijinhos!



8 comentários:

  1. Luciana!! Poxa, me senti super bem representada pelo seu post!!!
    Parabéns pelo blog, está demais.
    Um beijo de Leeds.

    ResponderExcluir
  2. Muito bacana o post! A vida é dura, mas o mais legal é vivê-la né, em vez de ficar só imaginando. Valeu por me dar uma real do intercâmbio também.

    ResponderExcluir
  3. Adorei seu post! Geralmente o pessoal só mostra o lado bom mesmo: os passeios, as festas e etc, mas nunca imaginei que seria uma vida tão corrida quanto a que eu levo aqui no Brasil. E mesmo assim, ainda morro de vontade de tentar uma vaga no programa. :)

    http://wanilagoularte.wordpress.com

    ResponderExcluir
  4. 1. Ameeei o post. Jogarei na cara dos "inocentes" que chamam de turismo sem fronteiras (a maioria pq nao gosta do pt, criticando um programa otimo q nem esse, nao q eu goste do pt mas essa oportunidade deveria ser dada independente de tudo - o exemplo dos asiaticos deveria mostrar bem). 2. Pensei que precisava de bus do ivy hall, entao pra mim qualquer escolha ta booa e tomara que eu seja aceita pela middlesex pois queria mt ir pra aí, parece uma das melhores opcoes pra mim que preciso se pse em londres.

    ResponderExcluir
  5. Meu Deus!!! Super me identifiquei! Vontade de mandar o seu texto pra várias pessoas por aí hahaha
    Adoro essa minha rotina e vida de CsFer.
    Clarice

    ResponderExcluir
  6. Exatamente! UK é muito caro. Viajar aqui é sinônimo de ñ fazer mais nada pra economizar. Problema que a exigência Na universidade é enorme e consequentemente tempo é uma raridade. Viajar nos holidays é ainda mais caro! Acho engraçado quando ouço alguém dizer Turismo sem fronteiras. Amei seu texto Luciana. Boa sorte nos estudos

    ResponderExcluir